terça-feira, 21 de novembro de 2017

Maia diz que governo 'está muito longe' de ter os 308 votos para aprovar Previdência

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça-feira (21) em entrevista à rádio CBN que hoje o governo está "muito longe" de ter os 308 votos necessários na Casa para aprovar a reforma da Previdência.

Ele foi questionado sobre as negociações em torno da proposta, que foram retomadas com mais intensidade nas últimas semanas. Maia é um dos principais defensores da reforma e tem se engajado na articulação política pela aprovação do texto.

Por se tratar de uma proposta de emenda à Constituição, as mudanças previdenciárias precisam de no mínimo 308 votos na Câmara, antes de ir para o Senado. Para Maia, o tema foi "demonizado" nos últimos meses, o que, segundo ele, dificulta a compreensão dos deputados sobre a importância da reforma.

"Está muito longe dos 308 [votos]. Com todo desgaste, a reforma foi demonizada, hoje nós estamos muito longe. Nada que a gente não consiga resolver se ajustarmos a comunicação junto com os deputados e explicar quais são impactos da reforma", disse Maia.

Ele citou uma série de encontros que serão realizados nos próximos dias com deputados da base e especialistas para explicar as mudanças propostas. Maia disse que é preciso esclarecer pontos que, segundo ele, foram alardeados de forma equivocada. "O que está se vendendo: não tem déficit na Previdência, vai tirar dos mais pobres. Tem que explicar que não vai tirar de quem ganha menos", afirmou.

Reforma ministerial

Um dos temas da entrevista foi a reforma ministerial, que nos últimos dias surgiu no meio político como um requisito para a aprovação da reforma da Previdência. Para Maia, a mudança nos ministérios não traz votos no Congresso.

"Isso [reforma ministerial] não garante voto. O que vai garantir voto é sair da pauta desgastante de nomeações e voltar para a pauta que interessa ao Brasil, a agenda de reformas [...] Não dá voto. O que dá voto é tirar essa agenda de nomeações da frente", afirmou o presidente da Câmara.

Nenhum comentário: